segunda-feira, 29 de outubro de 2012

«ACORDAI», de José Gomes Ferreira e Fernando Lopes Graça

homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis!
Vinde, no clamor
das almas viris,
arrancar a flor
que dorme na raiz!
Acordai,
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões!
Vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações!
Acordai!
Acendei,
de almas e de sóis,
este mar sem cais
nem luz de faróis!
E acordai depois
das lutas finais,
os nossos heróis
que dormem nos covais.
Acordai!

.......................................
PARA OUVIR: http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=I-QaJRbzUnE&NR=1
aesperadegodot.blogs.sapo.pt

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

GRACIAS A LA VIDA


«Que dúvidas? Pois se a minha vida é esta e não há outra vida; se o minuto é este e não há outro minuto, que força me pode deter para que eu não realize o meu destino contra ti e contra todos?»

(In «Húmus», de Raul Brandão)

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

PLATEIA


















Não sei quantos seremos, mas que importa?!
Um só que fosse, e já valia a pena.
Aqui, no mundo, alguém que se condena
A não ser conivente
Na farsa do presente
Posta em cena!

Não podemos mudar a hora da chegada,
Nem talvez a mais certa,
A da partida.
Mas podemos fazer a descoberta
Do que presta
E não presta
Nesta vida.

E o que não presta é isto, esta mentira
Quotidiana.
Esta comédia desumana
E triste,
Que cobre de soturna maldição
A própria indignação
Que lhe resiste.

In «Câmara ardente» (poemas), de Miguel Torga, Coimbra, 1983 (2.ª edição)

19 de Outubro, em Viseu: apresentação da obra poética «Momentos», da autoria de José de Campos, no Clube de Viseu

A editora Mar da Palavra e o autor têm o prazer de o convidar para a sessão pública de apresentação do livro de poesia «Momentos», da autoria de José de Campos, que se realizará em Viseu, no dia 19 de Outubro de 2012 (sexta-feira), pelas 18h00, no Clube de Viseu (à Rua Cónego Martins).
A obra poética será apresentada pelo Dr. Alberto Correia.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Vídeo-poema: «Sabedoria», de José Régio


Desde que tudo me cansa, 
Comecei eu a viver. 
Comecei a viver sem esperança... 
E venha a morte quando 
Deus quiser. 

Dantes, ou muito ou pouco, 
Sempre esperara: 
Às vezes, tanto, que o meu sonho louco 
Voava das estrelas à mais rara; 
Outras, tão pouco, 
Que ninguém mais com tal se conformara. 

Hoje, é que nada espero. 
Para quê, esperar? 
Sei que já nada é meu senão se o não tiver; 
Se quero, é só enquanto apenas quero; 
Só de longe, e secreto, é que inda posso amar. . . 
E venha a morte quando Deus quiser. 

Mas, com isto, que têm as estrelas? 
Continuam brilhando, altas e belas. 

José Régio, in «Poemas de Deus e do Diabo»
.................................

Declamado por Joana Carvalho:
http://becre-esct.blogspot.pt/2012/10/video-poema-x-sabedoria-de-jose-regio.html?spref=fb

«La Wally», por Maria Callas

Retirado de outrasescritas.blogspot.com















«La Wally», por Maria Callas, é uma ópera em quatro actos do compositor italiano Alfredo Catalani, com libreto de Luigi Illica
http://www.youtube.com/watch?v=-pkNpl-tZIw&feature=share

domingo, 7 de outubro de 2012

O poder do tirano

 Retirado blogpodegiz.blogspot.com


















«O poder do tirano resulta sempre da apropriação traiçoeira da liberdade alheia. O indivíduo vai abdicando insensivelmente de direitos que parecem insignificantes; e, a horas tantas, de cedência em cedência, está enrodilhado numa trama de interdições, de onde não consegue sair mais. São as ordens, são os editais, são os avisos, em suma, são todas as restrições que em todos os regimes opressivos sujam as paredes. É proibido isto, é proibido aquilo… Arbitrariedades com carácter legal… E quem pisa o risco…»

In O Paraíso, de Miguel Torga, Coimbra, 1977 (2.ª edição remodelada).

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

MAR















Mar!
Tinhas um nome que ninguém temia:
Era um campo macio de lavrar
Ou qualquer sugestão que apetecia…

Mar!
Tinhas um choro de quem sofre tanto
Que não pode calar-se, nem gritar,
– Nem aumentar nem sufocar o pranto…

Mar!
Fomos então a ti cheios de amor!
E o fingido lameiro, a soluçar,
Afogava o arado e o lavrador!

Mar!
Enganosa sereia rouca e triste!
Foste tu quem nos veio namorar,
E foste tu depois que nos traíste!

Mar!
E quando terá fim o sofrimento!
E quando deixará de nos tentar
O teu encantamento!

In «Poemas Ibéricos», de Miguel Torga, edição do autor, Coimbra, 1982 (2.ª edição).

terça-feira, 2 de outubro de 2012

«Momentos», poesia de José de Campos


Felizes «Momentos», os nossos, debruçados sobre os poemas de José de Campos, encantatórios registos cuja leitura corre como água de límpido rio e que são ode, formoso hino à natureza, terra e céu, com seus tempos e lugares, são chamas de afecto onde governa o coração que bate, enamorado ou comovido, no abraço que se fecha sobre a gente a que pertence pelo sangue ou ganhou pela amizade. (in Prefácio, de Alberto Correia)
..........................


O AUTOR:
José de Campos – Nasceu na bonita aldeia de Cagido, freguesia de Óvoa e concelho de Santa Comba Dão, onde fez a instrução primária, tendo feito os estudos secundários no Colégio Nun’Alvares (em Carregal do Sal) e também em Santa Comba Dão.
Iniciou os estudos universitários na Universidade de Luanda, tendo posteriormente feito o serviço militar em Moçambique, como oficial piloto aviador da Força Aérea Portuguesa.
Concluiu o curso de Engenharia Civil na Universidade de Coimbra, tendo aí leccionado durante algum tempo. Depois, fixou-se na cidade de Viseu, onde tem desenvolvido a sua carreira de engenheiro civil, na área de Projecto e Direcção de Obras.
Ao manter a sua paixão pela aviação, é director do Aeródromo de Viseu, sendo ainda membro de diversas instituições de cariz social e de serviço à comunidade, destacando-se a sua acção no Rotary Club de Viseu.
..........................

FICHA TÉCNICA:
Livro: Momentos
Autor: José de Campos
Capa: Pormenor do quadro “Dois girassóis cortados” (Two Cut Sunflowers), de Vincent van Gogh (1887)
Editora: Mar da Palavra - Edições, Lda.
PVP: 10,60 €
N.º de páginas: 84
Formato: 14,75 x 21,0 cm (com badanas)
ISBN: 972-8910-60-0 (EAN: 978-972-8910-60-0)

..........................


Registo de notícias e outras referências:
http://www.wook.pt/authors/detail/id/2822862
http://www.bertrand.pt/autores/autor?id=2822862
http://www.bibliofeira.com/livro/517334205
http://coimbracity.olx.pt/momentos-livro-de-poesia-de-jose-de-campos-iid-432895422
http://coimbra.coisas.com/para_venda/livros_e_revistas/momentos-livro-de-poesia-de-jose-de-campos/7030999/
http://www.appdaviseu.com/apresentacao-do-livro-momentos/