quarta-feira, 6 de julho de 2016

«A CRIAÇÃO ARTÍSTICA TESTEMUNHA DO ESPÍRITO», ensaio de Telo de Morais

NOTA INTRODUTÓRIA

Chegado a tão avançada idade e depois de ter escrito muitas dezenas de textos, quer ligados à profissão da especialidade médica exercida quer sobre Arte – em particular a pintura, catálogos de exposições, conferências variadas, júris, etc. –, nunca me preocupei em guardar os testemunhos de tudo o que tinha feito, com excepção de livros, como único autor ou em colaboração. E mesmo assim!...
Acontece que a minha mulher encontrou esta separata de que eu fora responsável, integrada numa obra com o título «O Cérebro e o Espírito», contendo depoimentos de catorze convidados: um espanhol e treze portugueses. Tal colóquio, datado de Novembro de 1985, foi publicado pela Fundação Calouste Gulbenkian, com capa da minha pessoa.
Confessando tamanho descuido, desta feita resolvi experimentar a reedição de «A criação artística testemunha do espírito», numa pequena brochura.
Embora com prejuízo das escolhidas imagens incuriamente perdidas, serve este «fascículo» – como já velho trabalho – para oferecer aos meus Amigos.
Telo de Morais (médico e escritor)   
................................... 

«Arte, acima de tudo, é manifestação de vida. É modo (o melhor) de estar no mundo, processo ímpar de comunicação, lugar de diálogo, caminho de liberdade. É sonho e realidade, alienação e compromisso, certeza e dúvida, alegria e dor. Arte é coerência, mesmo na contradição, encontro, mesmo enquanto busca. Tanto se caracteriza pela premeditação amadurecida, como se define no automatismo inconsciente do gesto. Grava-se na lápide com ambição do eterno, ou inteira se entrega ao acontecimento que passa. Mas, é e será sempre intervenção sincera e acto de amor.» 
Telo de Morais
................................... 

AUTOR:
Telo de Morais (José Carlos de Carvalho Telo de Morais) nasceu em Viseu, tendo aí concluído o ensino secundário. Licenciou-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, cidade onde se especializou e exerceu Imagiologia, tendo sido chefe de serviço de Radiologia dos, então, HUC (Hospitais da Universidade de Coimbra).
Desde cedo, foi atraído pelas artes plásticas, domínio que lhe possibilitou constantes solicitações, através da escrita, da crítica e de múltiplas palestras e conferências.
Com uma colaboração vasta e dispersa, é autor dos livros de poesia «Estudo para Auto-Retrato» (1997) e «Enquanto o Tempo» (2000), além da sua inclusão na obra colectiva «Poezz» (2004). Um ano depois, viu igualmente publicado o livro de poesia «Paleta Inacabada», no qual – segundo prefaciava Rocha de Sousa – «aborda, de um modo inusitado, aliás no prolongamento de outras obras que ligam a pintura e a poesia, muitos dos aspectos próprios do cruzamento das linguagens, ou dos seus pontos de analogia, misteriosos fios pelos quais várias disciplinas de índole artística se entrelaçam com maior ou menor complexidade, permitindo a descoberta de semelhanças na diferença de obras de referência […]».
................................... 

FICHA TÉCNICA
Autor: Telo de Morais
Capa: Ilustração de Telo de Morais (reproduzida da obra colectiva «O Cérebro e o Espírito», no contexto do colóquio realizado, em Novembro de 1985, pela Associação dos Médicos Católicos Portugueses, no Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra)